Em Salvador, ronda especial ajuda mulheres que já foram ameaçadas

Por - 13 de fevereiro de 2019 - 09:53

Toda vez que uma mulher presta queixa e a Justiça concede uma medida protetiva, Ronda Maria da Penha passa a acompanhar a rotina dela para evitar que agressor chegue perto.

Em Salvador, ronda especial ajuda mulheres que já foram ameaçadas

Governador Rui Costa participa da Caminhada em comemoração ao dia Internacional da Mulher e assina o termo de cooperação para o início da Ronda Maria da Penha. Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Em Salvador, uma iniciativa está ajudando a evitar a violência contra mulheres que já sofreram ameaças.

A visita chega sem avisar e é muito bem-vinda. Os policiais são da Ronda Maria da Penha e vieram cuidar da segurança da professora Rosa Bouças. Ela terminou um casamento de 35 anos porque sofria agressões físicas e psicológicas. O ex-marido começou a perseguir e a ameaçar. Rosa prestou queixa na delegacia e há três anos recebe a proteção da ronda.

“Eu sei que eu posso estar numa situação de risco, eu posso estar ligando e sei que eles vão estar prontos a atender”, disse ela.

A Ronda Maria da Penha foi criada em Salvador em março de 2015. Toda vez que uma mulher presta queixa e a Justiça concede uma medida protetiva, equipes de policiais passam a acompanhar a rotina dela para evitar que o agressor chegue perto.

Mais de quatro mil mulheres vítimas de violência foram atendidas pela ronda.

“Boa parte da população já nos identifica. E a partir do momento em que um agressor sabe que a Ronda Maria da Penha está acompanhando, ele já recua porque ele sabe que a gente pode aparecer a qualquer momento”, disse Paula Queirós, subcomandante Ronda Maria da Penha.

Quando a vítima de agressão consegue uma medida protetiva, o acusado recebe logo um aviso de que não pode se aproximar da mulher nem tentar entrar em contato. Ainda assim, tem quem desobedeça e aí a ronda entra em ação para prender. De 2015 até agora, 161 agressores foram presos por descumprimento da medida protetiva. A pena é de três meses a dois anos.

O ex-marido da empresária Lívia Aragão, que já tinha sido preso duas vezes por descumprir a medida, nunca mais invadiu a casa dela.

Amparada pela lei e pela ronda, Lívia, aos poucos, vai se recuperando das agressões que sofreu. Hoje, ela faz questão de contar sua história.

Notícias relacionadas