Vereador Rivelino Martins não pede reservas e afirma: “Zé Aldemir não é bem-vindo no Governo de João Azevedo!

Por - 10 de janeiro de 2019 - 15:19

Vereador Rivelino Martins não pede reservas e afirma: “Zé Aldemir não é bem-vindo no Governo de João Azevedo!

Em declaração recente à imprensa cajazeirense e da região, o vereador Rivelino Martins (PSB) inclusive Presidente do Partido em Cajazeiras, figura conhecidamente representativa e legítima do ex-governador Ricardo Coutinho e do atual Governador da Paraíba, João Azevedo, tratou de colocar os “pingos nos is” em polêmica recente gerada nas redes sociais e que foram também veiculadas pela imprensa, dando conta de que o prefeito de Cajazeiras poderia se tornar aliado do atual governo se assim fosse decidido pelo seu partido o PP.

Nesta perspectiva, o vereador Rivelino Martins afirmou de maneira enfática que o prefeito de Cajazeiras não é bem quisto nas hostes governamentais e nem tampouco a presença de sua esposa, a deputada eleita Paula Francinete, se faz necessária, não tem qualquer serventia e nem é do interesse do Governador João Azevedo.

Segundo o vereador, uma adesão dos dois que se posicionaram de modo tão ferrenho e contrário ao findo governo de Ricardo Coutinho (no qual o atual Governador era Secretário de Estado de Administração) não gozam de prestígio e nem da confiança de uma administração que se pretende continuadora dos excelentes 8 anos que marcaram positivamente as gestões encabeçadas por Ricardo. Resumindo, declarou de modo taxativo que o prefeito de Cajazeiras é persona non grata!

Insistente que é, o prefeito de Cajazeiras, não convencido da veracidade impressa nas palavras do vereador da base aliada do Governo Estadual, retrucou dizendo que apesar das declarações feitas pro Rivelino Martins, quer acreditar que o entendimento de João Azevedo se dê de modo diferente do de Ricardo Coutinho.

Resta aguardar o desenrolar dos fatos e das conjunturas políticas; contudo se constitui pouco provável que alianças que reúnam visões políticas tão discrepantes possam ser concretizadas.

Da Redação.

 

Notícias relacionadas