Zé Aldemir usa dinheiro sujo para comprar votos em Triunfo-PB! Ouça áudios!

Por - 12 de setembro de 2018 - 16:15

Denúncias em áudios gravados pelo ex-prefeito de Triunfo-PB, João Coragem e Expedito da Cacimba Velha, demonstram que vem sendo feita uma escrachada compra de votos na região do Rio do Peixe, orquestrada pelo prefeito de Cajazeiras para eleger sua esposa!

Zé Aldemir usa dinheiro sujo para comprar votos em Triunfo-PB! Ouça áudios!

Em denúncias chegadas à esta Redação na manhã de hoje, quarta-feira (dia 12/09/2018), se pode verificar com bastante clareza que se trata de uma descarada compra de votos, medida adotada costumeiramente de forma inescrupulosa pelo prefeito de Cajazeiras, José Aldemir Meireles, configurando indubitavelmente a prática de crime eleitoral.

As vozes das pessoas ouvidas nos áudios, afirmando categoricamente a sujeira que está rolando nos bastidores da campanha política na cidade de Triunfo – (região do Rio do Peixe) indicam que o prefeito de Cajazeiras haveria enviado um portador de sua confiança para receber dinheiro que lhe seria devido, das mãos de dois vereadores daquela localidade (vereador Antonio Filho e vereador João Batista), são respectivamente do Sr. João Coragem, ex-prefeito daquele município e do Sr. Expedito da Cacimba Velha.

Na denúncia formulada por eles, dois vereadores daquela cidade, conhecidos pelos nomes de Antônio Filho e João Batista, haveriam recebido quantias em dinheiro das mãos do prefeito de Cajazeiras para comprarem votos destinados à concretização da eleição de sua esposa e Primeira Dama Dra. Paula (candidata à uma vaga na ALPB nas eleições que se avizinham, em 07 de outubro próximo) o que caracteriza o crime eleitoral.

OUÇAM O QUE DIZEM OS ÁUDIOS DA DENÚNCIA

1.ÁUDIO DE JOÃO CORAGEM!

2. ÁUDIO DE EXPEDITO DA CACIMBA VELHA!

Estarrecida com as denúncias, a imprensa livre vem de público pedir ao Ministério Público Eleitoral que sejam adotadas as devidas providências legais e cabíveis, no sentido de que sejam apuradas as denúncias e se constatadas a sua veracidade, sejam os responsáveis pelo cometimento do crime eleitoral em questão, severamente punidos, na forma da lei.

Em dias nos quais se exige tanta lisura e concomitante a isto tanta severidade na aplicação das leis que punem os crimes eleitorais, havidos comumente durante as campanhas que antecedem os pleitos, o mínimo que se espera é que medidas sejam efetivamente aplicadas em igualdade de condições. Que o pau que bate em Chico (falando à grosso modo) possa também e com a mesma intensidade bater em Francisco.

Da Redação!

Notícias relacionadas