Ex-prefeito Carlos Antônio denuncia publicamente esquema de organização criminosa na Prefeitura de Cajazeiras

Por - 23 de novembro de 2017 - 14:05

Segundo Carlos Antônio, o Prefeito José Aldemir, sua esposa, Secretária de Saúde do município e pré-candidata Paula Francinete e irmão da Primeira-Dama (atual secretário de Finanças), encabeçam forte e organizado esquema criminoso, no âmbito do poder público municipal.

Ex-prefeito Carlos Antônio denuncia publicamente esquema de organização  criminosa na Prefeitura de Cajazeiras

Tais práticas criminosas, tem acontecido sob as características de Nepotismo, posto que envolvem diretamente pessoas de uma mesma constituição familiar. As altas gratificações vêm sendo pagas diretamente aos parentes do Sr. Prefeito Constitucional e aos parentes da Primeira Dama, bem como  aos seus aliados políticos mais próximos, com o claro propósito da manutenção de seu poderio político financiados pelos recursos do erário público.

Ainda se observa de acordo com a denúncia feita pelo líder e ex-prefeito Carlos Antônio, a configuração tácita, porém que não deixa dúvidas, de que os desvios também estejam acontecendo (de maneira velada) sob a forma da concessão dos valores exorbitantes que compõem as gratificações dos comissionados, mais especificamente daqueles que ocupam os cargos de mais alto escalão na Prefeitura Municipal de Cajazeiras.

São várias as benesses percebidas por toda a população (que não se iludam, não é mais tão besta quanto demonstrara nas últimas eleições), as quais inclusive e sobretudo, já demonstram o rápido e ilícito enriquecimento de alguns (as) que desfilam pelas ruas da cidade em veículos novos e de alto luxo num curto espaço de tempo, se considerado o fato curioso de que a gestão atual sequer completara 365 dias à frente da administração municipal.

Carlos Antônio, que não tem papas na língua, denunciou abertamente os desvios, alegando que nos momentos finais de sua gestão, a sua esposa e ex-prefeita de Cajazeiras, Dra. Denise Albuquerque, deixara nos cofres públicos, um montante equivalente a R$ 10 milhões de reais, tendo o saldo deste vultoso numerário sido vertiginosamente reduzido para o valor ínfimo de pouco mais de R$ 4 milhões de reais, num espaço de curtíssimo intervalo de tempo, que data desde o ingresso da atual gestão.

Portanto, o questionamento que se impõe é: Aonde foram parar os outros R$ 6 milhões?

A finalidade dos desvios do erário público, os quais vêm sendo verificados tanto pelo ex-gestor, quanto por toda a população, numa gestão completamente desastrosa, tem a ampla e estrita finalidade da captação ilícita (embora velada) dos recursos públicos – dinheiro do povo,  oriundo das arrecadações tributárias pagas pela população de Cajazeiras bem como das cotas advindas da esfera federal ) para  o financiamento da campanha da esposa do Sr. Prefeito, no intuito de que esta possa ter a chance (embora mínima, se considerada a falta de popularidade da Primeira Dama e total ausência de carisma) de conquistar a tão sonhada vaga no legislativo estadual, em  Casa de Epitácio Pessoa.

Assim, conclui-se que é deste modus operandi de enveredar pelos caminhos sinuosos e perigosos de práticas públicas espúrias e adversas da moral e da legalidade,  do qual se tratava o tão aclamado ‘jeito certo”, bordão que tomou conta dos palanques eleitorais nas eleições últimas passadas, havidas em 2016, nos discursos inflamados e permeados de sofismas e hipocrisias, que foram vociferados pelo agora prefeito de Cajazeiras.

Da Redação com imagem do Exatas News.

Notícias relacionadas