A Farra com o dinheiro público continua: A administração do “JEITO CERTO”

Por - 6 de julho de 2017 - 10:17

SINFUNC denúncia altos salários.

A Farra com o dinheiro público continua: A administração do “JEITO CERTO”

É uma prática corriqueira entre políticos de todo o país, beneficiar seus aliados em sua gestão. Cajazeiras não poderia ser diferente, e agora passa a ser destaque, com os altíssimos salários pagos aos seus assessores e aliados.
A nomeação de aliados políticos nem sempre atende aos critérios de qualificação para o posto, o que chega a causar ainda mais indignação da população desta cidade. Uma vez que o atual gestor, foi eleito com base em promessas, que não vendo cumpridas.
Os dados colhidos do TCE e apresentados pelo SINFUMC são claros, como mostra tabela abaixo, o prefeito vem gastando uma quantia exorbitante em salários comissionados de seus aliados. Utilizando-se em apenas 5 (cinco) meses R$ 600.000,00 (seiscentos mil reais) a mais, do que o usado pela gestão da prefeita Denise, nos meses de Janeiro à Maio.
Dados mostram que, apenas 1.654 pessoas usufruíram em apenas 5 (cinco) meses à quantia de R$ 3.192.382,66. Sendo que estas, estão sendo acrescidas mensalmente, basta que se faça uma pequena análise do que foi gasto no mês de Janeiro e Maio, uma diferença com aumento de R$ 388.299,34.
O gestor cajazeirense vem usando o dinheiro do povo, para viabilizar apoios políticos. Desse modo, fica evidente, porque os protegidos do prefeito ainda o defendem, e afirmam que este é o “jeito certo” de governar, o que parece entrar em discordância, com as cenas deste grande golpe, que a população de Cajazeiras vem sofrendo.
Contraditoriamente, a farra com o dinheiro público mediante este número absurdo de “apadrinhamentos”, vem acontecendo no mesmo momento em que, a então secretária de saúde e primeira dama da cidade Paula Francinete, afirma que a saúde vive um momento critico e de dificuldades.
Já está claro para toda cidade de Cajazeiras, que este governo vive de vender ilusões e de tentar enganar a população. É grande a indignação daqueles que esperavam por melhorias.

 

 

Da redação com informações do SINFUNC.

Notícias relacionadas