SECRETÁRIO JESUS MAURERA QUE É CUNHADO DO PREFEITO JOSÉ ALDEMIR É PROCESSADO POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Por - 4 de julho de 2017 - 10:03

SECRETÁRIO JESUS MAURERA QUE É CUNHADO DO PREFEITO JOSÉ ALDEMIR É PROCESSADO POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

 

O atual secretário da Fazenda de Cajazeiras José Jesus Maurera Martinez que é cunhado do prefeito de Cajazeiras José Aldemir responde a uma Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa quando foi gerente da Estância Termal Hotel Brejo das Freiras.

A investigação iniciou após analise da prestação de contas da PB TUR pelo Tribunal de Contas Do Estado (TCE), tendo sido constatado algumas irregularidades, dentre elas, as praticadas pelo Cunhado de José Aldemir quando da prestação de contas do exercício anual de 2004, sendo instaurado e conclusão o Inquérito Civil Público de nº 001-A/2009 pelo Curador do Ministério Publico da Capital, o Dr. Adrio Nobre Leite que por sinal é filho natural de Cajazeiras.
De acordo com a peça inicial do douto Promotor apresentada a Justiça, há época, o Diretor Presidente da PB TUR atribuiu a responsabilidade ao então cunhado do prefeito José Aldemir (que ocupa cargo de Secretário da Fazenda Pública do Município de Cajazeiras), que exercia a função de Gerente Geral da Estância Termal do Brejo das Freiras e adquiriu junto as empresas Melo Supermercado e Frigotil Ltda mercadorias nos valores de R$ 51.952,33 e R$ 19.236,84 respectivamente sem a realização de qualquer processo de licitação, cabendo tão somente a PB TUR a responsabilidade de pagar.

A Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa que tramita na comarca de São João do Rio do Peixe sob o nº 000207-66.2011.815.005 objetiva o ressarcimento aos cofres públicos da quantia de R$ 71.189,17 corrigidos da época, além de perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se concorrer esta circunstância, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos.

O Portal não conseguiu até as 21horas desta segunda-feira (03) contato com o então secretário da fazenda José Jesus Maurera e seu advogado já que mora na Capital.

Da redação

Notícias relacionadas